sábado, 25 de outubro de 2008

Mais vale...

Gosto sem dúvida dos dizeres populares... se bem que na minha juventude os achava exagerados e desadequados às realidades onde eram usados! Provavelmente não os compreendia... no entanto, hoje em dia, vejo que muitos deles só se foram tornando claros com o passar do tempo.
Lembro-me de ler na escola obras de Gil Vicente e de até achar muita piada aos textos em si, contudo só o tempo me explicou uma das mensagens que talvez seja, para nós mulheres, das mais importantes para conseguirmos a tão "desejada" felicidade. A expressão aparecia no texto dramático "Farsa de Inês Pereira" e era algo do género: Mais vale asno que me carregue do que cavalo que me derrube!
Asno? Burro? Cavalo? Estas palavras nada pareciam ter a ver com o contexto da obra em si... nem a moral da história parecia fazer sentido. Foram-se passando os anos e e esqueci-me desse texto. Só por necessidadde voltei a pegar nele e a lembrar as leituras feitas nas aulas. Passo agora a explicar esta expressão: vamos substituir asno por namorado/marido/homem (como queiram! Uma pessoa de condição social mais baixa, alguém menos bela, sem descendência nobre...), o verbo carregar por acompanhar/respeitar, cavalo pelas mesmas referências masculinas mas de maior gabarito (ou seja pessoa que se encontra melhor socialmente, mais bem apessoada, mais bonito...) e por último substituimos o verbo derrubar por algum do género... humilhar/desprezar/desrespeitar! Então?
Ficaria algo do género: Mais vale homem "pobre" que me respeite do que outro homem "rico" que me humilhe... por exemplo!? E assim já faz sentido?
Quantas histórias nós conhecemos na sociedade de pessoas que ignoram esta lição da vida? Pois a tão desejada felicidade está ao alcance de todos nós, apenas temos de fazer algo para a encontrar. Se dizem que muitas vezes está nas nossas mãos, porque é que não a vemos? E se vemos porque é que não fazemos nada com essa felicidade? Ou por ela? Parece fácil... mas às vezes só nos aperecem cavalos ou só asnos...e aí a coisa complica-se!
No entanto não deixa de ser um conselho intemporal... Gil Vicente era um futurista!Há coisas que não mudam com o tempo e a nossa possibilidade de escolha é seguramente uma delas!!!

1 comentário:

aleB disse...

Não sei se quem escreveu foi a Pita, a Franga ou a Galinha... ^^
Mas "qu'ida", como explica o aumento da taxa de mães menores que engravidam???? Namora-se na "janela" e satisfaz-se a líbido juvenil com quem estiver na primeira esquinita à espera? Será que já há profissionais aproveitando esse ponto de vista???
Bejus&Abraços